O BRASIL E O ICCAT

Sem título

Reunião no MAPA debate representação do Brasil junto ao ICCAT. O assunto em debate foi a representação do Brasil junto a Comissão Internacional para Conservação do Atum Atlântico – ICCAT. De acordo com os representantes do setor pesqueiro é importante que o Ministério da Agricultura, por meio do seu departamento de pesca, participe efetivamente das discussões e debates promovidos pela comissão. A intenção é que o país possa absorver a demanda das empresas brasileiras, sendo que hoje grande parte do atum enlatado nas indústrias locais vem de fora do país, e para tentar reverter este cenário será preciso retomar o envio de dados brasileiros para o ICCAT.

Desde 2012 a comissão não recebe dados estatísticos e biológicos do Brasil. A falta de informações é resultado da ausência de um programa de coleta de dados que durante alguns anos foi responsabilidade do Governo Federal, por meio de parcerias com universidades e institutos de pesquisa. Esta falta de estatística, de acordo com a própria ICCAT, pode levar a proibição de captura de todas as espécies de atuns e afins pelo Brasil.

A reunião realizada em Brasília foi convocada pelo Diretor do Departamento de Planejamento e Ordenamento da Pesca do Ministério da Agricultura, Sami Pinheiro e contou com a participação de integrantes do Conselho Nacional de Pesca e Aquicultura – CONEPE, representantes das indústrias de beneficiamento de pescado de Santa Catarina, assessoria técnica da Comissão Nacional de Aquicultura da Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil – CNA e o professor doutor Fábio Hazin, convidado do CONEPE.

Durante o encontro entre representantes da pesca e o Ministério da Agricultura foram discutidos ainda assuntos como: a necessidade de renovação dentro dos prazos das permissões de pesca das embarcações da frota atuneira, para que possam integrar a relação de barcos no site da ICCAT, e o pagamento das pendências do Brasil junto a Comissão referente aos anos de 2014/2015. A falta de regularização pode deixar o país de fora de futuras votações promovidas pela Comissão Internacional para Conservação do Atum Atlântico – ICCAT.

O CONEPE solicitou ainda ao Ministério da Agricultura a indicação do professor doutor Fábio Hazin para integrar a delegação brasileira que irá participar da próxima reunião da comissão, que será realizada no mês de novembro, em Portugal.  A experiência e o conhecimento científico do professor Hazin são pré-requisitos para que ele componha a delegação.

Confira

Veja  mais:

As diferenças entre as embarcações nacionais e estrangeiras que capturam atuns em águas brasileiras

Depoimento Fábio Hazin: Iccat 2007-2011 

Veja também

UMA PRAIA, UMA GAROTA, UM TUBARÃO

A praia é deslumbrante: uma baía pequena e isolada, com ondas de um azul-turquesa cristalino ...

PEIXE MORTÍFERO

PEIXE MORTÍFERO Uma cidade do Japão transmitiu um alerta de emergência depois que porções potencialmente ...

UM MAR DE EVENTOS EM 2018

UM MAR DE EVENTOS EM 2018 Quem trabalha na produção, processamento ou comercialização de pescado ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *