IMPLANTAÇÃO DA CONVENÇÃO DE ÁGUA DE LASTRO

O Brasil, Ilhas Cook, Índia, Libéria, Noruega e Reino Unido estão pedindo que a IMO adie a implementação da convenção de gestão de água de lastro. Em um documento enviado para discussão no MEPC 71 em julho, os estados propõem a transferência de setembro de 2017 para setembro de 2019. O documento também sugere abandonar o plano de vincular a data de cumprimento para os equipamentos em navios à renovação do Certificado Internacional de Prevenção da Poluição por Óleo (IOPP). Se isto acontecer, permitirá que o retrofit do equipamento seja realizado até 2024.

A probabilidade de este pleito passar é bastante alta, diz o consultor de gestão de água de lastro Jad Mouawad.  “Minha preferência pessoal seria iniciar a implementação da convenção como planejado (8 de setembro de 2017) e, em vez disso, espaçar o período de instalação para 10 anos em vez de cinco, por exemplo. Isto está mais em linha com a intenção original do regulador quando o primeiro rascunho da regra B-3 da convenção de gestão de água de lastro foi adotado em 2004.

O consultor de Espécies Invasoras Rob Hilliard diz que ninguém deve se surpreender se a data de implementação for adiada. Ele concorda que ainda há uma série de questões a serem resolvidas, incluindo o número muito baixo de sistemas compatíveis com os Estados Unidos que estarão disponíveis até 8 de setembro.

Água de lastro 2019

 

Água de lastro, bioinvasão e resposta internacional

 

Veja também

UMA PRAIA, UMA GAROTA, UM TUBARÃO

A praia é deslumbrante: uma baía pequena e isolada, com ondas de um azul-turquesa cristalino ...

PEIXE MORTÍFERO

PEIXE MORTÍFERO Uma cidade do Japão transmitiu um alerta de emergência depois que porções potencialmente ...

UM MAR DE EVENTOS EM 2018

UM MAR DE EVENTOS EM 2018 Quem trabalha na produção, processamento ou comercialização de pescado ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *