Home » Destaques » ATÉ QUE ENFIM A UNIÃO DA PESCA

ATÉ QUE ENFIM A UNIÃO DA PESCA

Pescadores industriais e artesanais de Santa Catarina se unem por cotas.

 

Ao se verem no mesmo aperto, na mesma rede de restrições, armadores industriais e pescadores artesanais se uniram – o que era impensável alguns anos atrás. Os dois setores defendem que o governo adote o sistema de cotas para a pesca da tainha. Desta forma, o peixe estaria protegido e todas as modalidades teriam direito a uma fatia dos cardumes.

Até mesmo a pesca artesanal, considerada de menor impacto aos cardumes de tainhas, cuja safra da pesca industrial começou quinta-feira, sentiu o peso das novas determinações do governo federal em relação à tainha. Com exceção das redes de arrasto de praia e das pequenas embarcações, os demais pescadores, que trabalham com a chamada pesca de emalhe anilhada, também têm sido sistematicamente excluídos da safra. Receberam menos licenças do que o esperado, e recorreram à Justiça para pleitear o direito às capturas.

– O governo está criminalizando a pesca, tanto industrial quanto artesanal – diz o advogado Ernesto São Thiago, que representa os pescadores.

ONG X GOVERNO – O projeto foi apresentado no ano passado pelo Instituto Oceana, que financiou estudos para avaliar o estoque de tainhas no Sul e Sudeste do país. A recomendação é de um limite anual de 4,3 mil toneladas anuais, que seriam suficientes para permitir a recuperação do peixe. A ideia, no entanto, não chegou a ser discutida pelo comitê que regulamenta a tainha dentro do Ministério do Meio Ambiente.

Recentemente o Ibama encaminhou um ofício ao Ministério Público Federal (MPF), reclamando da interferência do Instituto Oceana na gestão pesqueira, e dizendo que a proposta de cotas “confronta, de forma grave, com o cenário em implementação, do definido no plano, qual seja: a total retirada da pesca com cerco realizada pelas grandes traineiras”.

UNIÃO – A união entre pescadores “industriais” e artesanais pode ser temporária, no caso da tainha ou da portaria 445.

Mas se a pesca não se unir como um todo, cada qual em seu barco, todos no mesmo mar, não vai ter a mínima chance de sobreviver como atividade. De se defender. De se fazer ouvir. De conseguir respeito e dignidade. De acabar com esse jogo onde somos tratados como moleques, como irresponsáveis, como analfabetos, como deficientes, como predadores, como bandidos.

 

No mar, na hora do perigo, somos todos irmãos.

Na terra, a desunião é a nossa fraqueza.

E vamos ser sinceros: tem gente unida se aproveitando dessa nossa fraqueza em terra. Enterrando a gente.

Vamos aprofundar a nossa união temporária e fazer dela uma união permanente.

Somos todos trabalhadores do mar.

E merecemos respeito pelo menos por ocupar o mar brasileiro.

Por oferecer uma pesca ao Brasil e aos brasileiros nossos irmãos terrestres.

Viva a pesca brasileira!

 

União de pescadores

Nova mudança de regras

Pescadores da tainha em SC reclamam de licenças insuficientes para atividade

 

 

 

Além disso, Verifique

HISTÓRIA DE UM NAUFRÁGIO

Pescador narra como viu o naufrágio da embarcação de irmão em alto-mar. “Quem nasce na ...

BARCO COVARDIA

Navio contra imigrantes é fretado pela extrema-direita e cria polêmica na Europa. Embarcação é mantida ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*