“DEFENDA O QUE VOCÊ VEM FAZENDO PELA PESCA DO SEU PAÍS”

Uns dizem que “a propaganda é a alma do negócio”. Outros garantem que “a propaganda é a arma do negócio”. Alma ou arma, o fato é quem perde a batalha da informação perde o negócio.

É preciso ouvir com atenção as palavras de um renomado pesquisador proferidas recentemente no Auditório Ignácio Baltazar do Couto, aqui na sede do Saperj, para meia dúzia de armadores. Infelizmente.

Para esse pesquisador, o setor produtivo está perdendo a batalha da comunicação para o setor preservacionista.

De um lado, os ambientalistas se organizaram através de ONGs, especialistas em pesca e advogados, enfim, montaram uma estrutura bem organizada.  Eles são os donos da bola, os porta-vozes do meio ambiente, os guardiões da natureza. Estão ganhando de goleada a narrativa da preservação contra a produção. São os heróis e o setor pesqueiro é o vilão, o bandido, o predador. Eles são os santos e conseguiram transformar os pescadores em pecadores.

De outro lado, o setor pesqueiro está desgovernado.  O rebaixamento da pesca de Ministério para Secretaria, sua saída da Agricultura para a Indústria e Comércio são apenas eventos pontuais de uma deriva que revela que estamos sem rumo há um bom tempo. Essa desorganização faz que com que a pesca se torne uma presa fácil para qualquer narrativa que vise desqualificar uma atividade que produz emprego e saúde, que envolve milhares de famílias, milhões de pessoas. Como nos defender se não temos uma representação atuante e competente? Como nos proteger se estamos roucos e desunidos? Como ter força se a união é dos outros e a fraqueza é só nossa?

Qual a saída? Para virar esse jogo, o setor pesqueiro deve se organizar e se fazer ouvir. Com firmeza. Com clareza. Com orgulho. Com autoestima.  Entrar no campo da comunicação, das versões, da mídia, e pelo menos empatar a partida. Construir uma contranarrativa que valorize a importância dos trabalhadores do mar e restabeleça a nossa dignidade profissional.  Ninguém ama o mar mais do que nós. Ninguém respeita o mar mais do que nós. Ninguém conhece o mar mais do que nós.

Temos que fazer o nosso dever de casa. Na prática é preciso que a pesca tome medidas urgentes para se adaptar aos novos tempos, se modernizar, aperfeiçoar os métodos de captura, etc. Existe futuro, mas para isso é indispensável se preparar, se reinventar. Quem ficar repetindo o passado vai ser abalroado pela realidade, vai encalhar, vai naufragar.

Um velho político disse: “Não pergunte o que seu país pode fazer por você. Pergunte o que você pode fazer por seu país.”

Está na hora do setor pesqueiro acordar e decidir o seu próprio destino: “Não pergunte o que governo pode fazer por você. Defenda o que você vem fazendo há tantos anos pela pesca do seu país.”

 

Leia mais na revista Pesca & Mar 169

 

Veja também

EMBARCANDO NA REAL

Precisamos decidir, para o bem de todos, que a pesca não tem nada a ver ...

UMA PRAIA, UMA GAROTA, UM TUBARÃO

A praia é deslumbrante: uma baía pequena e isolada, com ondas de um azul-turquesa cristalino ...

SELO ARTE, CARCINICULTURA E CARDUME ASSOCIADO

Aberta consulta pública sobre boas práticas para concessão do Selo Arte a alimentos derivados do ...

O MACHADO DE KAFKA

“Penso que devemos ler apenas os livros que nos ferem, que nos apunhalam. Se o ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *