UMA REFLEXÃO SOBRE O PREPS

Instituído pela INSTRUÇÃO NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº 2, DE 4 DE SETEMBRO DE 2006  o Programa Nacional de Rastreamento de Embarcações Pesqueiras por Satélite – PREPS para fins de monitoramento, gestão pesqueira e controle das operações da frota pesqueira permissionada pela Secretaria Especial de Aqüicultura e Pesca da Presidência da República -SEAP/PR trazia a esperança de dias melhores para todos do setor, pois pressupunha um ordenamento nas atividades pesqueiras no Brasil, seguindo a tendencia mundial de melhor gestão da qualidadde do pescado e no controle de cotas de pesca, preservando o ambiente pesqueiro da exaustão precoce.  Leia o artigo de Gilson Souza da Silva, engenheiro de Telecomunicações e diretor da CarrierWeb.

 

 

O projeto tem relevante importância para o país, pois é uma excelente e poderosa ferramenta de gestão dos recursos da Amazónia Azul e, através dela, é possível ter uma visão em tempo real das atividades pesqueiras e da distribuição da frota ao longo de nossas águas. Frotas estas que prestam auxílio onde se possa delas necessitar e que atuam como eficazes guardiões de nossas águas contra embarcações estrangeiras predatórias as nossas reservas pesqueiras.

O PREPS, projeto inovador na América Latina, era motivo de orgulho aos que dele participaram de forma direta ou indireta.

Anos se passaram e o PREPS foi testemunha de algumas crises internas, políticas e  econômicas, e também testemunhou crises globais, resistindo bravamente a todas elas. A despeito de muita incredulidade o PREPS superou todos esses turbilhões e hoje começa a respirar um ar de mudanças capitaneado pelo SAPERJ e por um de seus principais colaboradores, o Cmte. Leme, que tem sido o agente catalisador desses novos ares de mudanças que o programa requer e que é anseio de toda a classe pesqueira. O Cmte. Leme tem buscado, de forma incansável, a revitalização do projeto e do segmento pesqueiro.  Luta como um ambientalista que procura salvar o rio ou a floresta, buscando alternativas de preserva-lo, através da revitalização e do uso de novas tecnologias e mecanismos que fortaleçam o setor. Junto com o SAPERJ se dedica com total entrega para aqueles que dependem da atividade pesqueira. Essa luta e entrega contagia a todos que com ele convivem.

Fomos consultados pelo Cmte. Leme sobre a possibilidade de desenvolvemos, em parceria com o SAPERJ, uma ferramenta que fosse capaz de ser o testemunho e a extensão dos olhos do Mestre em alto mar. Como uma luneta que os Mestres, Capitães e Lobos do Mar de outrora usavam.  Com uma ressalva: deveriam ser capazes de registrar o que viam para ser utilizado como testemunho dos olhos e da voz do Mestre, que muitas vezes não encontrava eco por falta de evidencias. Com essas premissas, foi delineado e concebido o Vigilante do Mar, uma ferramenta de auxílio na defesa daquilo que nos pertence: Os recursos da Amazônia Azul, que por sua grande extensão, parece quase impossível de monitorar e acaba sendo explorada por embarcações estrangeiras não permissionadas para tal. E aí está o desafio que nos motivou: Ou controlamos ou perdemos o direito de exploração.

A partir daí passamos a pensar da mesma forma com o PREPS, buscando a forma de melhor utiliza-lo a favor da classe pesqueira.  Concluímos que isso só vai ser possível com a revitalização do projeto, com adequações das normas, com uma campanha educativa de seu uso, com a discussão do programa e com a adesão de todos da atividade pesqueira para fortalecer o projeto.

A ameaça aos nossos recursos vem de fora e não de dentro. Normas internacionais são elaboradas em favor dos países desenvolvidos e em detrimento dos países que possuem muitos recursos a serem explorados.

Brasil e África possuem uma enorme extensão de mar e, da mesma forma que na sua parte territorial, possuem enormes riquezas e poucos recursos para explora-las.

É preciso frear este avanço com união, esforço e tecnologia. Uma tecnologia que seja eficiente e adequada aos padrões econômicos do Brasil. É nessa parte que nos vimos comprometidos a ajudar.

A arquitetura de rastreamento e monitoramento de embarcações pesqueiras atual utiliza satélites geoestacionários de alta órbita situados a cerca de 35.000 Km da terra.

Os equipamentos necessitam muita potencia para que os dados possam trafegar até esta altitude e, consequentemente, são grandes, caros e com alto custo de instalação e manutenção devido à complexidade e ao elevado tempo embarcado.

Uma nova arquitetura de sistema que vem se destacando utiliza satélites de baixa órbita situados a cerca de 1.000 Km da terra.

Os equipamentos necessitam pouca potencia para que os dados possam trafegar até esta altitude e, consequentemente, são pequenos, baratos  e com baixo custo de instalação e manutenção devido a simplicidade e ao pouco tempo embarcado.

Aqueles que já possuem o equipamento instalado tem que arcar com os custos de manutenção e substituição do equipamento.

Com esse cenário apresentado o SAPERJ, mais uma vez, dá um passo a frente e em conjunto com a Carrierweb disponibilizou os meios para testes de novas tecnologias que pudessem atender a realidade atual.

Mais uma vez, em parceria com a Carrierweb, foram realizados testes de performance de uma tecnologia que cumprisse com os requisitos do PREPS e atendesse as expectativas dos armadores.

 

Gilson Souza da Silva

Engenheiro de Telecomunicações

Diretor da Carrierweb

Arquitetura Proposta – Satélite de Baixa Órbita

Foram designadas, pelo SAPERJ, duas embarcações para a realização dos testes.

Centauro e Rio Amazonas

 A imagem a seguir, com o sistema atual e o proposto instalado, ilustra o que descrevemos anteriormente:

  • o menor equipamento utiliza satélites de baixa órbita
  • o maior equipamento, atualmente utilizado no PREPS, utiliza satélites de alta órbita.

 

 

Características:

PESO:
 

102 g (com 4 pilhas de lítio AAA)

 

765 g

DIMENSÕES:
 

6,85 cm (L); 8,25 cm (C); 2,55 cm (A)

 

16 cm (Diâmetro) x 10 cm (A)

PREÇOS ESTIMADOS :
 

R$ 1.500,00

 

R$ xxxx,00

PREÇOS ESTIMADOS DE MENSALIDADE:
 

R$ 155,00

 

R$ xxx,00

PREÇOS ESTIMADOS DE MANUTENÇÃO:
 

R$ 0, 00 a R$ 600,00

 

R$ x.xxx,00

CENTAURO

pilhas AAA

Periodicidade: 30 minutos

                                                    RIO AMAZONAS                                                 

fonte de 5 VDC e  botão de pânico

Periodicidade: 1 em 1 hora

 

Veja também

UMA PRAIA, UMA GAROTA, UM TUBARÃO

A praia é deslumbrante: uma baía pequena e isolada, com ondas de um azul-turquesa cristalino ...

PEIXE MORTÍFERO

PEIXE MORTÍFERO Uma cidade do Japão transmitiu um alerta de emergência depois que porções potencialmente ...

UM MAR DE EVENTOS EM 2018

UM MAR DE EVENTOS EM 2018 Quem trabalha na produção, processamento ou comercialização de pescado ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *