OSTRAS E MEXILHÕES

Toxina interdita cultivo de ostras e mexilhões em todo o litoral de Santa Catarina. Exames detectaram toxina diarreica e alta contagem de algas produtoras.
Com isso, está proibida retirada, venda e consumo de 4 tipos de moluscos.

 

Áreas de cultivo de ostras, mexilhões, vieiras e berbigões estão preventivamente interditadas em todo o litoral catarinense, informou a Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca. O motivo é a presença de toxinas que podem causar intoxicação alimentar.

Com isso, a retirada, a comercialização e o consumo desses moluscos está proibida no estado até que a situação se normalize.

“A interdição de todo o litoral catarinense acontece para preservar a saúde pública, já que existe a possibilidade de a contaminação dos moluscos bivalves estar ocorrendo de forma generalizada”, explicou a secretaria, em nota.

No ser humano, a toxina Diarreicapode provocar diarreia, náuseas, vômitos e dores abdominais. os sintomas se manifestam em poucas horas após a ingestão de moluscos contaminados. A recuperação leva entre dois e três dias.

 

Exames – Segundo a pasta, exames laboratoriais feitos nos últimos dias pelo Laboratório Laqua-Itajaí/IFSC detectaram a presença da toxina diarreica na localidade da Caieira da Barra do Sul, em Florianópolis, e alta contagem de algas produtoras dessas toxinas nas localidades de Enseada do Brito, em Palhoça, Ganchos de Fora, em Governador Celso Ramos, ambas na Grande Florianópolis, e Laranjeiras, em Balneário Camboriú, no Litoral Norte.

Ainda segundo a secretaria, novas coletas de ostras e mexilhões serão realizadas para monitoramento das áreas de produção. “Os resultados dessas análises definirão a liberação ou manutenção da interdição das áreas afetadas”, diz a nota da secretaria.

A expectativa é de que as toxinas desapareçam em alguns dias e que isso não gere prejuízo financeiro para os maricultores, informou a pasta. O G1 entrou em contato com a Associação Catarinense de Aquicultura, e aguarda retorno.

Maricultores deixam de vender – Dono de uma fazenda de ostras na Caieira da Barra da Sul, Vinícius Marcos Ramos conta que sua área está interditada desde segunda-feira (23). “A cadeia produtora já se organiza para isso”, conta ele, que enfrentou um período de interdição há dois anos. “Essas notícias a gente até prefere esquecer”, brinca.

“Isso acontece sempre que a água fica muito limpa. Quanto mais cristalina, maior incidência de raios solares, e as algas se proliferam”, conta Vinícius. Segundo o produtor, a cada dia de interdição, ele deixa de vender entre 500 e 600 dúzias de ostras.

“Só deixamos de vender, mas temos de ser responsáveis”, diz Vinícius. “A toxina em si não faz mal para a ostra, mas faz para o ser humano”.

Ele estima que a liberação deva ocorrer entre sexta-feira e sábado, já que as interdições costumam durar até 72 horas.

Maior produtor do país – Atualmente, Santa Catarina é responsável por 95% da produção de todos os moluscos consumidos no Brasil. Em 2014, foram 21.553,6 toneladas. O governo calcula que o lucro anual total dos produtores catarinenses seja equivalente a R$ 70 milhões.

A capital catarinense é considerada a maior produtora de ostras, com 2.700 toneladas, bem como de vieiras, 20 toneladas. Já Palhoça detém a maior produção de mexilhões

 

 

 

Cultivo e venda interditados

Proibição em todo litoral catarinense

Toxina

 

 

 

Veja também

UMA PRAIA, UMA GAROTA, UM TUBARÃO

A praia é deslumbrante: uma baía pequena e isolada, com ondas de um azul-turquesa cristalino ...

PEIXE MORTÍFERO

PEIXE MORTÍFERO Uma cidade do Japão transmitiu um alerta de emergência depois que porções potencialmente ...

UM MAR DE EVENTOS EM 2018

UM MAR DE EVENTOS EM 2018 Quem trabalha na produção, processamento ou comercialização de pescado ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *