PARA ONDE VAI A PESCA?

PARA ONDE VAI A PESCA?

Sem rumo e sem mapa, a pesca está à deriva. E todos sabem para onde ela vai: vai de mal a pior.

Não é só o Rio de Janeiro que vai mal A pesca também vai de mal a pior / Crédito: WordPress.com

No começo de março de 2012, o então novo Ministro da Pesca, Marcelo Crivella (PRB), tomou posse pedindo ajuda a Deus para cumprir o novo papel. A nomeação do ex-bispo da Igreja Universal do Reino de Deus demonstrava o interesse da presidente Dilma Rousseff em aproximar seu governo dos evangélicos.

Num arroubo de sinceridade, Crivella admitiu não ter capacidade técnica para assumir o cargo. “Não quero que a presidente fique triste por ter um ministro da pesca que não é bom de colocar minhoca no anzol”, disse. “Mas colocar minhoca no anzol a gente aprende rápido”.

Parece que não aprendeu. Não teve tempo. Em outubro de 2015, o Ministério da Pesca foi extinto. Em outubro de 2016, Crivella foi eleito prefeito da cidade do Rio de Janeiro. A pesca e a cidade estão indo de mal para pior.

Vamos falar da pesca, que é o que nos interessa aqui. Em meio ao limbo por que passa a Secretaria Especial da Aquicultura e Pesca (SEAP) em âmbito federal, com servidores alojados provisoriamente no prédio do Incra e sem telefones de contato, o Senado continua discutindo a suspensão do decreto presidencial que culminou na transferência da área em definitivo para a Presidência da República, depois de passar pelo Ministério da Indústria, Comércio e Serviços (MDIC).

A mudança da Secretaria da Pesca do âmbito do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento para o do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços pode ser revertida se aprovado o Projeto de Decreto Legislativo (PDS) 33/2017. O texto conta com parecer favorável na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). A transferência foi determinada em março do ano passado, por meio de um Decreto da Presidência da República.

A mudança é considerada um retrocesso por alguns senadores. Para Dalírio Beber (PSDB-SC), que promoveu um debate sobre o tema em abril e é um dos autores do PDS, a pasta da Agricultura detém a excelência na prestação de serviços públicos, processos e procedimentos já consolidados junto à cadeia produtiva do agronegócio, o que dá força ao setor de aquicultura e pesca.

O senador lembrou, ainda, que o Ministério da Agricultura tem um quadro de 10.429 servidores ativos distribuídos pelo Brasil, contra apenas 790 servidores do Ministério de Indústria e Comércio lotados em Brasília. “Para que seja prestado um serviço de qualidade ao setor da aquicultura e pesca seria necessária a criação de cerca de mil cargos em comissão de livre provimento e exoneração, além de aluguel de imóveis nas 27 unidades da Federação”, afirmou.

Fontes consultadas pela Seafood Brasil dão conta de que o pano de fundo é a disputa política por espaço no governo Michel Temer entre o PP, partido do ministro Blairo Maggi, e o PRB, partido do atual ministro do MDIC, Marcos Jorge.

A briga se reflete em todas as esferas do trabalho relativo ao setor, como comprovam o caso da suspensão das exportações à UE e a formação, em 31 de janeiro, do Grupo de trabalho para elaborar o Plano Nacional de Desenvolvimento para a Indústria de Pescados, no Mapa, sem a participação da Seap/PR.

Para onde vai a pesca? Sem rumo e sem mapa, à deriva, a pesca vai de mal a pior.

 

 

Leia mais na revista Pesca & Mar 173

Veja também

PESCADORES E CAMINHONEIROS

No universo da música popular, houve um tempo em que os pescadores reinavam de forma ...

MORTANDADE DE PEIXES

As mortandades são caracterizadas pela morte repentina de um grande número de peixes ou outros ...