UNIDADES E CERTA DESUNIÃO

Decreto que cria duas novas unidades de conservação marinha é publicado.

O Diário Oficial da União (DOU) do dia 20 de março publicou dois decretos que criam duas novas unidades de conservação marinhas. O anúncio da criação das áreas foi feito na segunda-feira (19) pelo ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, durante o 8º Fórum Mundial da Água, que ocorre em Brasília.

O primeiro decreto cria a Área de Proteção Ambiental e o Monumento Natural do Arquipélago de Trindade e Martim Vaz e Monte Colúmbia, localizados no extremo Leste da Zona Econômica Exclusiva Brasileira (ZEE) do litoral do Estado do Espírito Santo.

O segundo decreto cria a Área de Proteção Ambiental Marinha do Arquipélago de São Pedro e São Paulo e o Monumento Natural Marinho do Arquipélago de São Pedro e São Paulo, no extremo nordeste da ZEE, no litoral do Estado de Pernambuco.

De acordo Sarney Filho, com criação das unidades, o Brasil amplia de 1,5% para 25% a sua área protegida na zona costeira marinha, ultrapassando os 17% recomendados pelas Metas de Aichi, um conjunto de ações que devem ser assumidas pelos países para deter a perda de biodiversidade planetária. “É um salto fundamental para protegermos os nossos oceanos dos riscos da degradação”, disse.

Comentários – O que acha o setor produtivo pesqueiro do Brasil sobre a criação das duas Unidades de Conservação? Aí vão os comentários dos que vivem a pesca :

1 – O Brasil está excedendo em 15% a área recomendada de proteção e conservação do ambiente marinho;

2 – Há um manifesto interesse econômico de recebimento de vultuosos  recursos internacionais que, pretensamente, serão utilizados na gestão e conservação do ambiente marinho;

3 – Iniciativa com fins eleitoreiros e para encobrir e arrefecer a inércia do governo latente na falta de iniciativas voltadas para a conservação da Amazônia Verde e a diminuição da emissão de GEE (gases de efeito estufa);

4 – A propaganda tendenciosa da publicação do Decreto sem a apreciação, análise e acatamento das propostas oriundas da consulta pública;

5 – A total alienação do setor pesqueiro na elaboração do Decreto, como se o mesmo não existisse e não causasse um grande prejuízo socioeconômico com as restrições à serem impostas à pesca; e

7 – A comprovação inequívoca da falta de expressão do setor pesqueiro no Brasil, que não possui gestão governamental e cujo clamor de suas aspirações emanam de  alguns poucos abnegados como nós.

Você lerá mais sobre o assunto no número 174, edição março/abril, da revista Pesa & Mar.

Sobre os decretos:

Jornal do Brasil

UCs marinhas serão criadas ainda neste mês: Revista Amazônia

Unidades de Conservação e Mosaicos: Ministério do Meio Ambiente

Veja também

QUARTA REUNIÃO PLENÁRIA GT PORTARIA 445

QUARTA REUNIÃO PLENÁRIA GT PORTARIA 445 Resumo dos encaminhamentos da 4ª Reunião do Grupo de Trabalho ...

SITUAÇÃO DO BRASIL JUNTO À ICCAT

SITUAÇÃO DO BRASIL JUNTO À ICCAT Em julho deste ano, o setor pesqueiro foi surpreendido ...