MAIS GARRAFAS NO MAR

Vários desertores norte-coreanos lançaram garrafas ao mar, contendo “pen-drives”, na esperança de que cheguem ao Norte e sirvam para contrabalançar a propaganda do regime de Pyongyang.

Após anos de tensões sobre o programa nuclear norte-coreano, a península vive desde janeiro um processo de distensão excepcional, ilustrada pela histórica cúpula entre o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un.

Entre outras medidas, ambos se comprometeram a “cessar por completo todos os atos hostis” a partir de 1º de maio na chamada Zona Desmilitarizada (DMZ), na fronteira entre o Norte e o Sul, incluindo a emissão de propaganda com alto-falantes, ou lançando panfletos pelo ar.

Alguns norte-coreanos que fugiram para o Sul não veem dessa forma. É o caso do ex-prisioneiro político Jung Gwang-il e de outros militantes, que lançaram dezenas de garrafas ao mar de uma ilha sul-coreana, com a expectativa de que cheguem ao Norte.

Segundo Jung, a Coreia do Sul se dobrou ao Norte, ao aceitar, na semana passada, silenciar os alto-falantes gigantes que até agora difundiam mensagens de propaganda destinadas aos soldados norte-coreanos na fronteira.

“O que Kim Jong-un mais teme? Que os norte-coreanos se deem conta da realidade”, afirmou, referindo-se ao líder norte-coreano.

As garrafas estão cheias de comida, dinheiro, remédios e “pen-drives”. Segundo Jung-oh, outro norte-coreano que fugiu de sua terra natal, as garrafas levam de quatro a cinco horas para chegar à costa vizinha.

Leia mais:

G1

Para quem não gosta de política, uma velha canção:

Vagalume

Veja também

HISTÓRIAS ASSUSTADORAS DE NAVIOS FANTASMAS

Navios fantasmas são definidos como: “navios ficcionais assombrados, ou navios encontrados à deriva, com sua tripulação ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *