DRAGAGEM DO CANAL DE SÃO LOURENÇO

DRAGAGEM DO CANAL DE SÃO LOURENÇO

O prefeito Rodrigo Neves, que foi homenageado como Personalidade do Ano na Firjan Leste, fez anúncio na solenidade / Foto: Evelen Gouvêa

 

Sinal verde para dragagem do Canal de São Lourenço.

Município vai custear intervenções se obra não for iniciada pelo Governo Federal até o ano que vem

Inaugurado no fim de 2013 e sem funcionamento até então, o Terminal Pesqueiro de Niterói, no Barreto, será o foco de um Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) a ser lançado no próximo dia 29. A medida, anunciada pelo prefeito Rodrigo Neves nesta terça-feira (12), visa resgatar a indústria de pesca do Estado do Rio de Janeiro até o ano que vem. Para isso, o prefeito também anunciou que, caso o Governo Federal não inicie as obras de dragagem do Canal de São Lourenço – que permite o funcionamento do terminal – até 2019, a Prefeitura irá custear as intervenções.

 “Garantimos que, caso o próximo Governo Federal não inicie a dragagem até o ano que vem, a Prefeitura de Niterói, através de Parceria Público-Privada (PPP), vai assumir e começar, também no ano que vem, a dragagem do canal que dá acesso a empresas do setor”, anunciou o prefeito.

A medida de desassorear o Canal de São Lourenço possibilitará o resgate da Indústria Pesqueira do Estado do Rio no Leste Fluminense, atualmente em segundo lugar no mercado de pescado nacional. No dia 29, será lançado o Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) do Terminal Pesqueiro de Niterói. O local, que nunca funcionou efetivamente pela dificuldade de navegação do Canal, será assumido pela Prefeitura do município também através de PPP.

“Com investimento em dragagem, vamos resgatar a indústria da Pesca do Rio de Janeiro no Leste Fluminense no início do ano que vem”, finalizou.

A dragagem é de responsabilidade do Governo Federal através do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil, que informou que no momento não há estudos para a dragagem do Canal São Lourenço por parte do Ministério. Iniciado pela Prefeitura de Niterói em março para agilizar a obra, o estudo tem a previsão de ser finalizado em outubro.

A obra permitirá que o calado (profundidade do ponto mais baixo da embarcação em relação à linha d’água) passe dos atuais 7 metros para 11 metros, tamanho suficiente para a entrada de navios de grande porte. O investimento no EIA/Rima será de R$ 772.598,53.

Segundo o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Indústria Naval e Petróleo e Gás, Luiz Paulino Moreira Leite, as mudanças devem estar prontas antes de 2020, sendo o ano que vem o período de execução dos planos. No Terminal, ainda de acordo com o secretário, será possível realizar leilões eletrônicos, permitindo que outros municípios e estados também possam comprar mercadorias.

“Promete ser um espaço nos moldes dos grandes terminais estrangeiros, atraindo novos armadores e indústrias de pescado. Além do cais que possibilitará o desembarque, temos instalações de lavagem, separação, congelamento e armazenamento dos peixes, assim como de vendas. Também haverá espaço para o abastecimento dos barcos e bancos para movimentar o dinheiro do local que deve girar em no mínimo R$ 200 milhões por ano”, disse, acrescentando que lojas de artigos para pesca e mar também fazem parte do projeto.

Leia mais: