EM DEFESA DO MAR BRASILEIRO – SAPERJ

EM DEFESA DO MAR BRASILEIRO

EM DEFESA DO MAR BRASILEIRO

Pela primeira vez mulher comanda território brasileiro mais distante do continente. Capitão de corveta Rosângela dos Santos Farias está à frente do Posto Oceanográfico da Ilha da Trindade.

Poucas mulheres conseguiram pôr os pés no arquipélago de Trindade e Martim Vaz, o território brasileiro mais distante do continente, descoberto há pouco mais de 500 anos. Hoje, porém, é uma mulher que comanda os 30 militares do Posto Oceanográfico da Ilha da Trindade (POIT), estabelecido em 1957.

 Em frente ao que restou de um dos vulcões que criaram a porção de terra entre o Brasil e a África, a capitão de corveta Rosângela dos Santos Farias, de 47 anos, reflete sobre a chegada dos novos tempos:

— Essa ilha foi entreposto de traficantes de escravos. Os escravos eram selecionados e despachados aos seus destinos. Eu seria uma escrava, se eu estivesse aqui 200 anos atrás. Para mim, isso significa um avanço muito grande da sociedade, que permite a uma mulher negra estar aqui no papel tão importante que é o de chefe. É uma vitória da igualdade entre todos, entre raças, entre os sexos — afirma ela, que substituiu, em abril, o capitão de corveta Carlos Luís Fernandes Ribeiro, e que fica no cargo até agosto.

O arquipélago de Trindade e Martim Vaz nasceu há mais de 3 milhões de anos, após cinco grandes eventos vulcânicos, a 1,2 mil quilômetros da costa brasileira. Trindade tem um terreno equivalente a 400 campos de futebol, e seus picos mais altos chegam a 600 metros. Martim Vaz é um conjunto de ilhotas menores — somadas, têm o tamanho de três campos de futebol —, a 47 quilômetros de Trindade.

Nunca houve tantas mulheres no posto da ilha. A primeira militar chegou lá só em 2011, como sargento. Atualmente, além de Rosângela há outras duas mulheres trabalhando em Trindade, para cuidar da expansão da rede ótica.

— São poucos os que têm a oportunidade de pôr os pés aqui, um lugar com, no máximo, 40 pessoas, predominantemente do sexo masculino — ressalta a sargento Mônica Santos da Costa, de 35 anos.

A também sargento Larissa Lima, de 28, conta que desde 2011 buscava uma oportunidade em Trindade:

— Quando me voluntariei, quis enfrentar o desafio de ser uma das mulheres que poderiam habitar a ilha.

Para a comandante, as mulheres estão desbravando novas fronteiras:

            — Sou muito orgulhosa de ter sido escolhida. Abro esse caminho às outras mulheres que tiverem vontade de participar do mesmo processo. As mulheres garantem o território delas e a igualdade de direitos e deveres em relação aos homens — observa Rosângela.

Para conquistar o posto, a capitão de corveta passou por processo seletivo que incluiu avaliação psicológica e testes físicos. Em casa, precisou convencer marido e filho:

— Era um desejo meu há mais de dez anos. Pessoas que estiveram aqui contaram como era a ilha, e a vontade foi crescendo. Retomei o assunto e, desta vez, consegui chegar a um consenso com a família, que me apoiou muito — conta ela, formada em Pedagogia. Após os quatro meses na função, Rosângela deverá voltar ao 1º Distrito Naval, no Rio.

Leia mais:

https://oglobo.globo.com/sociedade/pela-primeira-vez-mulher-comanda-territorio-brasileiro-mais-distante-do-continente-22928086

Veja também

SUBMARINO NUCLEAR BRASILEIRO

O protótipo em terra do submarino nuclear brasileiro projetado pela Marinha ficará pronto em pouco ...

IMO 70

Marinha do Brasil celebra os 70 anos da Convenção da IMO no Rio de Janeiro. ...