FORÇA DE SUPERFÍCIE

Marinha desprioriza submarino nuclear para investir nos meios de superfície.

Submarino nuclear (SN-BR) Álvaro Alberto – Pintura de Carlos Kirovsky

 

Complexo Naval de Itaguaí – Estaleiro e Base Naval – Crédito: MB

 

A chamada Alta Administração Naval (Almirantado+Comandante da Marinha) está examinando uma série de providências destinadas a mudar o foco dos principais investimentos da Força, trocando o PROSUB (Programa de Desenvolvimento de Submarinos) “a qualquer custo” pela recuperação dos meios de superfície da Esquadra.

O Almirantado já definiu a necessidade mínima de 12 escoltas modernos, para que a Força de Superfície seja capaz de cumprir, de forma eficaz, as tarefas a ela atribuídas.

O prazo de obtenção desses navios, por encomenda ou compras de oportunidade, é a próxima década.

A maior parte dos oficiais envolvidos no reaparelhamento da Esquadra defende que essa conta de 12 unidades represente apenas o somatório das 4 unidades Classe Tamandaré com 8 navios novos – o que exclui do cálculo as fragatas Niterói e Greenhalgh, além das corvetas Inhaúma.

Mas ninguém sabe se o atendimento a esses critérios irá se revelar viável.

O conjunto de medidas que visa acabar com o estrangulamento financeiro da Esquadra por causa do PROSUB não se resume a um mero redirecionamento de gastos.

Leia mais:

https://www.naval.com.br/blog/2018/11/08/exclusivo-marinha-desprioriza-submarino-nuclear-para-investir-nos-meios-de-superficie/

Veja também

BATALHA NAVAL FEMININA

Com baixa natalidade, Japão tem falta de homens na Marinha e tenta ampliar espaço para ...

EM DEFESA DO MAR BRASILEIRO

EM DEFESA DO MAR BRASILEIRO Pela primeira vez mulher comanda território brasileiro mais distante do ...