CONSUMO RESPONSÁVEL

CONSUMO RESPONSÁVEL

Brasil terá guia de consumo responsável de pescados. Conhecimento é um ingrediente imprescindível para saber que nem todo peixe deve ir para a mesa.

Em muitos países, já existem guias que indicam aos consumidores a compra responsável / Imagem: Eco Informe

 

Se no cardápio do restaurante tivesse um aviso do tipo: “a captura desse pescado preserva a vida de tartarugas, baleias e golfinhos” você compraria com mais tranquilidade? Especialistas em mercado e pesquisadores ambientais acreditam que informar o cliente sobre o que envolve cada pesca poderia ser uma saída para reduzir o impacto ambiental. “O pescador está fazendo um trabalho, é a forma de sustento que ele aprendeu com a família (…) e se a pessoa que compra não tem consciência do que está fazendo, ela vai continuar estimulando um hábito predatório”, defende Henrique Becker, coordenador técnico do Projeto Tamar, de Ubatuba, litoral norte de São Paulo. A dificuldade é como escolher.

Em muitos países, já existem guias que indicam aos consumidores a compra responsável. A partir de dados de pesquisa, o documento sinaliza o status do pescado como conservação da espécie, se existe plano de gestão da pesca ou se impacta animais ameaçados. Selos certificados em diferentes cores apontam as melhores opções. Verde é a mais indicada. Amarelo, apresenta ressalvas. E vermelho, a evitar.

 Algumas cidades brasileiras já produziram alguns guias locais. Agora, a proposta é criar uma plataforma de informação nacional. “Se ele (cliente) começar a recusar os pescados que estão ameaçados, que têm algum problema de sustentabilidade ou mesmo bycatch (captura acidental), a gente pode mudar o cenário da produção”, diz a consultora Cintia Miyaji, diretora executiva da Consultoria Paiche que prepara o guia em conjunto com instituições internacionais.

A previsão é que algumas indicações já estejam disponíveis para o público no início de 2019, antes da Páscoa, período de maior consumo.

 Quem compra tem responsabilidade – Conhecimento é um ingrediente imprescindível para saber que nem todo peixe deve ir para a mesa. Há aqueles que devem ser consumidos com cautela e os que precisam ser evitados como os tubarões. “Todas as espécies de tubarão são comercializadas com o nome de cação”, afirma Priscila Dolphine, do Instituto de Pesca de Santos, no litoral sul paulista, “mas quando se mata o predador de topo como tubarões há uma reação em cadeia que provoca o desequilíbrio no ambiente marinho e nas outras populações de peixes, o que a longo e curto prazos, acaba prejudicando as espécies que consumimos”.

 

Leia mais:
http://ecoinforme.com.br/brasil-tera-guia-de-consumo-responsavel-de-pescados/

Veja também

UMA PRAIA, UMA GAROTA, UM TUBARÃO

A praia é deslumbrante: uma baía pequena e isolada, com ondas de um azul-turquesa cristalino ...

CHOCANTES PAPOS ELETRIZANTES

O impactante vídeo do eletrochoque contra a invasão de carpas asiáticas nos EUA.  Proibida no ...

TAMBAQUI CONQUISTA BRASÍLIA

Em Brasília, Festival Tambaqui dá visibilidade ao peixe amazônico. Seis toneladas de tambaqui (o equivalente ...