FIM DA 445? – NÃO SOMOS BANDIDOS

Há décadas que a cabeça do setor pesqueiro está a prêmio. Não é novidade o ataque ao Secretário Jorge Seif Junior e à sua família. Faz parte de uma campanha de descrédito, intimidação e marginalização da pesca. Entra ano e sai ano, sai governo e entra governo, temos sempre que provar que somos trabalhadores do mar. Não somos bandidos.

Há décadas que o setor pesqueiro está com a cabeça a prêmio – Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil
“Há anos estamos gritando que não somos bandidos. Não tem adiantado. Continuam nos tratando como se fôssemos predadores, criminosos, bandidos” – Imagem: Pixabay

No dia 30 de abril, o jornal Folha de S. Paulo publicou matéria com o título “Família de secretário da pesca tem multa relacionada a peixe em risco de extinção”. Estava demorando. Não existe nenhuma novidade no ataque ao Secretário Jorge Seif Junior ou à sua família. Na verdade, o setor pesqueiro está sob ataque há décadas.

Em 2017, o presidente o Saperj, Alexandre Guerra Espogeiro, escreveu: “A coisa não está fácil. De um lado, viramos moeda de troca: estamos constantemente sendo manipulados por políticos que afirmam que nos representam e nos defendem quando, na verdade, representam a si mesmos e defendem seus próprios interesses, seus cargos, seus mandatos, seus ganhos. Caímos na rede deles e ainda não sabemos como vamos escapar.”

E continuou: “De outro lado, no cabo-de-guerra entre produção e preservação, a pesca vem sendo abordada como uma atividade criminosa, sujeita a portarias, instruções normativas, entre outras medidas rigorosas e indiscriminadas. Nossas licenças de pescas não estão sendo renovadas. Cerca de 80% dos nossos barcos estão recebendo multas de até 100 mil reais. O PREPS (Programa Nacional de Rastreamento de Embarcações Pesqueiras por Satélite) tem sido usado como uma tornozeleira eletrônica, um instrumento para produzir provas contra nós mesmos. Há anos estamos gritando que não somos bandidos. Não tem adiantado. Continuam nos tratando como se fôssemos predadores, criminosos, bandidos.”

Isso foi em 2017. Estamos em 2019. Rolou uma novidade. O repórter da Folha ouviu o outro lado. O Secretário Seif Junior afirmou que o levantamento das multas, com base em dados públicos, tem o intuito de trazer problemas. “Com todo o respeito, isso é para polemizar. O que isso agrega à sociedade? É para desqualificar uma pessoa que está trabalhando no governo.”

Desqualificação, criminalização, demonização. Repetindo: “Não somos bandidos. Somos trabalhadores do mar”.

Pescando o Secretário
https://www1.folha.uol.com.br/ambiente/2019/04/familia-de-secretario-da-pesca-tem-multa-relacionada-a-peixe-em-risco-de-extincao.shtml

Jorge Seif participa na sede da ONU de reunião sobre ordenamento pesqueiro
http://www.agricultura.gov.br/noticias/jorge-seif-participa-na-sede-da-onu-de-reuniao-sobre-ordenamento-pesqueiro

Veja também

UMA PRAIA, UMA GAROTA, UM TUBARÃO

A praia é deslumbrante: uma baía pequena e isolada, com ondas de um azul-turquesa cristalino ...

AQUISHOW BRASIL 2019

Abertura da Aquishow Brasil 2019 reúne políticos, empresas e produtores. Palestra sobre “A nova SAP ...

SAP SUSPENDE NOVAS AUTORIZAÇÕES PARA PESCA DE ATUM

A suspensão de emissão de autorização de pesca não se aplica às permissões prévias emitidas ...